sábado, 12 de janeiro de 2013

Materiais orgânicos da própria floresta ajudam a reduzir erosão do solo


As pesquisas foram realizadas no município de Coari, interior do Amazonas.

Uso de materiais orgânicos da própria floresta reduz em quase 100% a perda de solo nos processos erosivos

Estudo pode solucionar um problema comum em várias áreas da Amazônia. De acordo com a pesquisa, o uso de materiais orgânicos da floresta reduz em 99,95% a erosão.

Os dados fazem parte da dissertação de mestrado intitulada “Avaliação de Processos Erosivos na Base de Operações Geólogo Pedro de Moura” feita pelo bolsista da Rede CTPetro Amazônia, Omar Cubas Encinas, do Programa de Pós-Graduação de Agricultura do Trópico Úmido do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTI).

O estudo inédito é de erosão hídrica sobre os impactos no solo das atividades petrolíferas em áreas de floresta primária na Amazônia e teve a orientação do pesquisador da Embrapa Solos e membro da Rede CTPetro, pesquisador Wenceslau Teixeira.

A crescente atividade humana nas áreas de florestas causa impactos negativos sobre o ecossistema, ocasionados pelo desmatamento. Segundo dados do Instituto de Pesquisas Espaciais (Inpe), mais de 95% dos desmatamentos são provocados pela atividade agrícola e pecuária. A mineração e a exploração de petróleo e gás natural correspondem por menos de 5% desse desmatamento.

Pesquisa

Segundo Encinas, o primeiro objetivo da pesquisa foi quantificar as perdas de solo e água em parcelas coletoras sob três condições: solo descoberto (sem floresta), solo coberto como liteira (solo com resíduos orgânicos, folhas, galhos) e solo sob floresta primária, em área de exploração petrolífera na Base de Operações Geólogo Pedro de Moura (BOGPM) no município de Coari, interior do Amazonas. Essas parcelas, explica Encinas, são áreas demarcadas em que se pode quantificar a perda de solo.

O segundo objetivo foi determinar os fatores que influenciam na perda de solo e de água, erosividade, largura, comprimento, etc. E o terceiro foi comparar o método da parcela padrão com o método dos pinos (que são pinos cravados na terra que permitem verificar as mudanças do nível do solo).

“As determinações da perda de solo e água foram realizadas em três parcelas coletoras de erosão padrão, sendo duas instaladas em uma clareira representativa das condições da BOGPM, sendo uma com solo descoberto e uma com solo coberto por 5 cm de liteira e uma instalada na floresta primária adjacente a área da clareira estudada”, explica Encinas.

Os resultados da pesquisa indicaram que as perdas de solo e água foram maiores no solo descoberto, seguido pelo solo com liteira e o solo sob floresta primária. O interessante e mais importante deste estudo foi que a perda de solo na clareira com o solo protegido pela liteira foi igual à perda do solo na floresta primária, mostrando a eficiência da liteira na redução do processo erosivo com a qual é possível reduzir as perdas de solo em até 99,95 % quando comparado com o solo descoberto.

“Esse dado é muito importante para as empresas que realizam desmatamento dentro de suas atividades de exploração, pois elas podem utilizar a liteira da floresta como proteções do solo, além de ser de fácil obtenção, ela sempre está se renovando”, afirma Encinas.

Para Encinas, a simples prática da cobertura do solo com liteira reduz as perdas o que sugere a importância de manter o solo coberto e a potencialidade do uso da liteira para controle da erosão.

Área de estudo

Na área da Base de Operações Geólogo Pedro de Moura são abertas clareiras e removida as camadas superficiais do solo em áreas originalmente cobertas por floresta primária para instalação de poços exploratórios de gás e petróleo, obras civis e para construção de estradas.

A área desmatada para a exploração desses produtos corresponde a menos do que 0,04% de todo o desmatamento feito na região, um percentual insignificante se comparado com o ocasionado pela agricultura e pecuária.

Essas atividades fazem com que o solo fique exposto na superfície sob o efeito da ação direta dos fatores climáticos como a precipitação, ventos e raios solares, o que pode acelerar o processo de degradação do solo por alterações nas propriedades físicas e químicas, intensificando os processos erosivos ocasionando perdas de água e solo e por conseqüência contribuir para o assoreamento de igarapés.

A erosão é um fenômeno resultante da desagregação, transporte e deposição das partículas do solo pela ação da chuva, vento ou dos processos de formação natural da crosta terrestre. Nesse sentido, a recuperação do solo e a recomposição florística das clareiras e jazidas da Base de Operações Geólogo Pedro de Moura tem se tornado uma meta para os pesquisadores.

Fonte: INPA – Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia

Pesquisa mostra a importância da preservação de fragmentos florestais inseridos em áreas agrícolas



Pesquisa sobre composição florística em bordas de fragmentos florestais aponta a importância da preservação desses fragmentos, quando inseridos em áreas predominantemente agrícolas. A afirmação se sustenta ao constatar que, mesmo com o impacto causado pela área agrícola, as regiões de borda dos fragmentos apresentam alta diversidade evidenciando a relevância da conservação dessas áreas para a manutenção da diversidade local.

O estudo faz parte da dissertação da mestranda Ana Pauta Schitkoski Sabino do Programa de Pós-Graduação em Agricultura e Ambiente (PPGAA) do campus Araras da UFSCar, orientada por Letícia Ribes de Lima, hoje docente da Universidade Federal de Alagoas (UFAL).


O trabalho, intitulado "Composição florística e estrutural de bordas de fragmentos florestais inseridos em matrizes agrícolas, teve como objetivo comparar a borda de fragmentos florestais inseridos em matriz de cana-de-açúcar e matriz de pastagem na Bacia Hidrográfica do Rio Corumbataí, diante de aspectos florísticos. "Por meio deste estudo é possível obter maior conhecimento da flora dessa região e, com isso, traçar estratégias voltadas para a restauração e conservação desses ecossistemas", afirma Ana Paula. Segundo a aluna essa conservação contribui para a manutenção da diversidade regional e garante o fornecimento de serviços ambientais, tornando o estudo importante para o desenvolvimento sustentável da região estudada.

Ao finalizar a pesquisa, a mestranda constatou que não houve diferenças estatísticas entre o levantamento realizado em áreas de cana-de-açúcar e áreas de pastagem. Além disso, foi comprovada a importância dos fragmentos estudados, uma vez que eles detêm elevada diversidade florística, o que colabora por manter a diversidade biológica da região.


A pesquisa faz parte do projeto "Avaliação multi-escala de impactos ambientais em paisagem fragmentada agrícola", da docente Katia Maria P. M. B. Ferraz da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ/USP). As informações obtidas pela dissertação serão compiladas com outras coletadas pelo projeto, sendo utilizadas como base para futuras pesquisas relacionadas à restauração e conservação de ecossistemas naturais da Bacia Hidrográfica do Rio Corumbataí. A Defesa Pública do mestrado de Ana Paula foi realizada no dia 3 de dezembro, no campus Araras da UFSCar.

Fonte: Universidade Federal de São Carlos

A Mata Atlântica está perdendo sua biodiversidade


Mapa da ecorregião da Mata Atlântica definida pelo WWF. A linha amarelo escuro representa os limites dessa ecorregião. Imagem de satélite da NASA.
Mata Atlântica

Proliferação de espécies nativas resistentes a perturbações no ambiente reduz a biodiversidade da mata atlântica

Tratada a ferro e fogo pelos seres humanos durante cinco séculos, a mata atlântica reage como pode na tentativa de sobreviver. Um estudo feito por cientistas do Brasil e do Reino Unido, que analisou fragmentos remanescentes da floresta tropical no Nordeste, sugere que a degradação induzida por atividades humanas provoca a disseminação exagerada de umas poucas espécies de árvore mais resistentes em prejuízo de muitas. O resultado é uma mata cada vez mais homogênea – e pobre – em toda a sua extensão, onde extinções locais passam a ocorrer em cascata.

O efeito é semelhante ao que se observa quando uma espécie exótica invasora coloniza um novo ambiente: sem inimigos naturais, ela aumenta rapidamente sua população, eliminando as espécies nativas que competem com ela pelos mesmos recursos no ambiente. “Os especialistas sempre temem o espalhamento de espécies exóticas, mas não é preciso esperar uma invasão. Uma nativa pode desempenhar o mesmo papel ecológico que as exóticas”, diz o botânico Marcelo Tabarelli, da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Ele, Felipe Melo, também da UFPE, e o ecólogo paraense Carlos Peres, da Universidade de East Anglia, no Reino Unido, assinam um artigo na edição de outubro do periódico Biological Conservation no qual descrevem o fenômeno da homogeneização de biomas causada por espécies nativas, que chamaram de vencedoras.


A relação entre vencedores e perdedores em ecologia foi descrita pela primeira vez em 1999 pelos pesquisadores norte-americanos Michael McKinney, da Universidade do Tennessee, e Julie Lockwood, então na Universidade da Califórnia em Santa Cruz. O trabalho da dupla descrevia um cenário de catástrofe para a biodiversidade, no qual algumas espécies com um conjunto de características especiais – crescimento rápido, tolerância a perturbações no ambiente e facilidade de transporte – colonizavam novos ecossistemas e causavam homogeneização. “McKinney estava explorando os impactos da urbanização na diversidade de espécies e eu estava trabalhando com espécies invasoras”, lembra Julie, hoje professora da Universidade Rutgers, em Nova Jersey. “Quando começamos a conversar, percebemos que havia um tema unificador, o dos ganhadores e perdedores.” O mais importante, segundo a pesquisadora, é que o sucesso de algumas espécies sob as novas condições não parecia ocorrer ao acaso. “Eu vejo isso como a humanidade podando a árvore da vida”, diz Julie. “Alguns ramos são cortados, outros são deixados crescer, talvez sem controle.”

O estudo da dupla, porém, só considerava o fenômeno aplicado à invasão de espécies exóticas. Essas ganhadoras globalizadas de fato podem causar, e causam, problemas sérios em ecossistemas insulares e em latitudes elevadas. Ecossistemas tropicais continentais, no entanto, são praticamente imunes a esse tipo de invasão. “É claro que temos problema com espécies exóticas no Brasil, mas temos espécies nativas que são muito mais bem-sucedidas e na literatura ninguém fala sobre isso”, afirmou Peres, de passagem por Belém, sua cidade natal.


Prata da casa: embaúba, espécie de crescimento rápido e 
grande disseminação em áreas perturbadas da mata atlântica

Pode parecer óbvio a qualquer observador atento que a mata atlântica – e outras florestas altamente impactadas por atividades humanas – perca diversidade por conta da fragmentação. Afinal, esta favorece, a partir da borda da mata degradada, a proliferação de espécies de árvore conhecidas como pioneiras. Elas são as primeiras a nascer numa área perturbada, por gostarem de sol, terem sementes pequenas, dispersadas por vento ou por pequenos animais, crescimento rápido, muitas vezes terem porte diminuto e reprodução anual. Algumas dessas características, não por acaso, são compartilhadas com as exóticas vencedoras. Entre as espécies nativas que se saem bem nessas condições estão o pau-pombo ou cupiúba (Tapirira guianensis), que se tornou uma das espécies mais comuns da mata atlântica, além do caboatã-de-leite (Thyrsodium spruceanum) e do leiteiro (Hymatanthus phagedaenicus), espécie cuja densidade aumentou mais de 750% no Nordeste. Já madeiras de lei e árvores tolerantes à sombra, de crescimento lento, com sementes dispersadas por mamíferos grandes e reprodução plurianual, como virolas, sapucaias, jatobás e ucuúbas, sucumbem ao chamado efeito de borda. São as perdedoras do processo.

Escala regional

Acontece que as evidências de homogeneização em escala regional, para além de pequenos fragmentos, ainda são escassas. Um dos primeiros trabalhos a mostrar o tamanho do problema foi publicado pelo grupo de Tabarelli no ano passado na revista Diversity and Distributions. Os pesquisadores de Pernambuco estudaram uma região de 56 mil quilômetros quadrados que vai de Alagoas ao Rio Grande do Norte, comparando milhares de registros de flora em 12 áreas dessa macrorregião em dois momentos: de 1902 a 1980, quando a expansão da cana-de-açúcar arrasou praticamente toda a floresta contínua que existia por ali, e entre 1981 e 2006, após o fim do ciclo de expansão do Pro-álcool.

Mata Atlântica na Serra do Mar, Paraná.
Mata Atlântica na Serra do Mar, Paraná.

O grupo descobriu que, na média, as floras ao longo da mata atlântica nordestina ficaram 28% mais parecidas após 1980. “Foi uma homogeneização muito rápida, num período relativamente curto, de décadas”, conta Melo. “Hoje eu vou a Pernambuco e vejo uma coisa e 300 quilômetros para cima, no Rio Grande do Norte, observo algo muito semelhante”, relata Tabarelli, um gaúcho radicado em Recife desde o fim dos anos 1990. “Isso é impensável em florestas tropicais não perturbadas.”

Segundo Julie, parte da resistência desses biomas a espécies invasoras pode decorrer justamente do fato de que a diversidade é alta e de cada região ser diferente da outra. “Quanto mais espécies nativas, menos provável que haja nichos ecológicos abertos que possam ser ocupados por uma espécie exótica”, afirma a ecóloga. A homogeneização pode minar essa imunidade natural do ecossistema e criar problemas para as florestas brasileiras no futuro: à medida que a América do Sul cresce em importância econômica e se incorpora cada vez mais às rotas do comércio internacional, afirma a pesquisadora, cresce também sua exposição a espécies invasoras trazidas a bordo de navios e aviões. “Eu não espero que o padrão de resistência a espécies invasoras se mantenha por muito tempo em lugares como o Brasil e a Índia”, diz.


O risco futuro de invasões, porém, é o menor dos problemas trazidos pela proliferação de vencedoras nativas. Ao substituir florestas antigas e de crescimento lento por matas mais ralas e menos diversas – o que Tabarelli chama de capoeirização –, ela compromete várias funções ecológicas, como a capacidade de abrigar animais de grande porte, de armazenar carbono e de controlar as cheias dos rios. Interações cruciais entre espécies, como a de grandes animais dispersores de sementes e as árvores que lhes dão alimento, são perdidas, resultando em extinção, local ou total. Uma das vítimas mais conhecidas desse processo é o mutum-do-nordeste (Mitu mitu), o caso mais bem documentado de extinção de ave de grande porte na mata atlântica, hoje encontrada só em cativeiro.

A esse ciclo perverso se soma outro fator de pressão: a caça, que elimina principalmente animais de grande porte em fragmentos já atingidos pelo efeito de borda, a alteração na estrutura da floresta que ocorre em suas margens, mais expostas ao vento e ao sol. Em estudo publicado no ano passado na PLoS One, Peres e colegas descobriram que a maior parte da mata atlântica no Nordeste está “desabitada”, praticamente desprovida de mamíferos com mais de cinco quilos. O grupo percorreu 196 fragmentos de floresta em busca de 18 espécies que ali já ocorreram (antas, muriquis, queixadas e onças) e não encontrou mais que quatro ao mesmo tempo em nenhum fragmento. Na maioria dos locais visitados os moradores não tinham memória da existência desses bichos na região.

Zona da Mata 1.jpg
Mata Atlântica na Zona da Mata, em Pernambuco.

Transformação global

“O trabalho deles ilumina um processo de mudança global que está acontecendo numa escala muito grande e sugere que isso que vemos hoje nos nossos quintais possa ser o ‘novo normal’”, diz Julie, que, como McKinney, elogiou o trabalho dos brasileiros.

A pesquisa, afirma Peres, tem implicações diretas nas políticas de conservação da mata atlântica. “Uma das mensagens é que é importante preservar as áreas grandes e contínuas, porque nelas o efeito de borda consegue adentrar menos”, diz o cientista. “Tamanho, nesse caso, é documento.”

Os resultados do estudo reforçam a necessidade de aplicar rigorosamente as determinações do novo Código Florestal, que contribui para aumentar o risco de homogeneização à medida que reduz a dimensão das faixas de vegetação a serem permanentemente preservadas ao longo dos rios. A nova lei altera a forma de medir essas faixas por contar sua largura a partir do ponto médio, e não do limite da cheia, como mandava a lei antiga. E exige a restauração de pelo menos 15 metros (m) em propriedades que desmataram até a beira d’água – a maior parte delas. A princípio, pode-se imaginar que a exigência de restauração de pouco serve para reabilitar a biodiversidade em uma floresta já tão afetada pela fragmentação e pelo efeito de borda. “Essa é uma interpretação perigosa”, afirma Peres. “É como dizer, ‘meu tio está com hepatite, então vamos logo matá-lo”, compara. Mesmo fragmentos atrofiados da mata atlântica ainda fornecem serviços que um pasto ou uma lavoura não fornecem.

“O Código Florestal não permite que as florestas escapem à homogeneização”, pondera Tabarelli. Ele afirma que a faixa de 15 m a 20 m de largura que a lei obrigará os fazendeiros a reflorestar “é uma grande borda florestal”. No Nordeste, porém, mesmo essas bordas fazem falta. “Independentemente do grau de homogeneização, quando chove um pouquinho aqui alaga as cidades, quando para de chover falta água.” Embora não solucionem o problema, as matas ciliares a serem recompostas podem ajudar a conectar fragmentos de floresta hoje condenados a perecer devido ao efeito de borda.


“Mesmo um fragmento homogêneo é extremamente rico”, diz Tabarelli. Segundo ele, a melhor forma de lidar com o problema da homogeneização é adequar tecnologias de reposição florestal às políticas de proteção. Tabarelli lembra que no estado de São Paulo, por exemplo, o reflorestamento da mata atlântica exige o plantio de pelo menos 80 espécies. “Não tem que abandonar a recomposição, tem que torná-la mais eficiente.”

Agora o grupo começa a olhar para outras regiões em busca de sinais de homogeneização induzida por espécies nativas. Dados de Peres e seus colegas sugerem que o fenômeno também ocorra na Amazônia, no Arco do Desmatamento, embora numa escala menos destrutiva. A equipe da UFPE também está fazendo parcerias com pesquisadores da Paraíba e do México para realizar comparações de maior escala. “Ainda é um fenômeno que precisa de confirmação em outros sítios para ser mais robusto”, diz Melo, “mas é algo esperado, porque tem base teórica e empírica”. n

Vale da Serra do Mar retratado por Rugendas (1835)


Artigos científicos
TABARELLI, M. et al. The ‘few winners and many losers’ paradigm revisited: Emerging prospects for tropical forest biodiversity. Biological Conservation. Out. 2012.
CANALE, G.R. et al. Pervasive Defaunation of Forest Remnants in a Tropical Biodiversity Hotspot. PLoS One. 14 ago. 2012.
LOBO, D. et al. Forest fragmentation drives Atlantic forest of northeastern Brazil to biotic homogenization. Diversity and Distributions. v. 17. p. 287-96. 2011.
CARDOSO DA SILVA, J. M. e TABARELLI, M. Tree species impoverishment and the future flora of the Atlantic Forest of northeast Brazil. Nature. v. 404 (6.773), p. 72-4. 2000.
MCKINNEY, M.L. e LOCKWOOD, J.L. Biotic homogenization: a few winners replacing many losers in the next mass extinction. Trends in Ecology and Evolution. v. 14 (11), p. 450-53. 1999.

Tamar: E o filhote 15 milhões seguiu para o mar


Os convidados receberam informações sobre o programa de conservação das tartarugas marinhas do Brasil e seguiram para o cercado de incubação, onde pegaram os filhotes que nasceram pela manhã. As tartaruguinhas foram soltas ao som do Coral do Mar, cantando “Casca do Ovo”, música do CD 30 Anos e Histórias para Cantar.

Mais de mil pessoas participaram do acontecimento, que teve show de Luiz Caldas à noite, no palco do Centro de Visitantes. A abertura ficou por conta do grupo Tamarear e da cantora Cláudia Albuquerque. Houve participações especiais de Marcela Martinez, Ana Mametto e Yacoce e do baixista Fernando Nunes.




Ivete Sangalo foi a visitante 15 milhões do Projeto Tamar

Para celebrar a marca de 15 milhões de visitantes, Ivete Sangalo foi convidada a fazer um tour orientado pelo Centro de Visitantes do Projeto Tamar na Praia do Forte/BA, ouvindo explicações sobre os animais, sua biologia, comportamento, além de informações sobre o programa de conservação das cinco espécies de tartarugas marinhas que ocorrem no Brasil.

A visita foi guiada pela coordenadora nacional de conservação e pesquisa do Projeto Tamar/Fundação Pró Tamar, oceanógrafa Neca Marcovaldi, entre pesquisadores da equipe que se revesaram. Músicos, entre eles, o guitarrista americano Stanley Jordan, também acompanharam a visita, que contou com a presença do coordenador nacional do Projeto Tamar/ICMBio, oceanógrafo Guy Marcovaldi. O guitarrista faria show na noite seguinte (08/12), no espaço cultural do Projeto na Praia do Forte.


Às Estrelas


The Most Astounding Fact
O Fato Mais Importante (Legendado)

PET



Medicamentos - Descarte Consciente


Google Street View - Dados cartográficos

A gigante de couro pode atingir dois metros de comprimento e pesar até 750 kg.