sábado, 19 de março de 2011

A cidade de São Paulo constrói escola de garrafas plásticas


Filipinas, escola a partir de garrafas de plástico



A cidade de São Paulo, nas Filipinas, inaugurou uma nova escola que tem a particularidade de ter sido construída a partir de garrafas de plástico de 1,5 e 2 litros, que são colocadas entre adobe .


A escola foi planeada e construída pelo empreendedor social Illac Diaz e pela MyShelter Foundation, contou com a ajuda de vários voluntários locais e foi depois doada às autoridades de São Paulo.


De acordo com o Inhabitat, também as garrafas foram doadas especificamente para este projeto. Já a escolha de adobe para unir as garrafas foi justificada pelo fato deste material ser mais barato que o cimento – e cerca de três vezes mais forte.

Esta não é a primeira escola construída a partir de garrafas de plástico. Há seis projetos semelhantes na Guatemala, por exemplo, sendo que neste País estão já sendo preparados outros quatro.
Na primeira escola, que foi construída em Granados, foram utilizadas perto de seis mil garrafas de plástico para erguer duas salas de aulas.


A construção da escola respondeu a um método inovador, criado pela Pura Vida, que consiste no enchimento de garrafas de plástico com lixo inorgânico e colocá-las entre arames – típicos das capoeiras – e cobertas de cimento. Assim, e para além das seis mil garrafas de plástico, foram utilizados ainda 930 quilos de lixo e 4.400 quilos de cimento.

Hoje, 297 crianças vão a esta escola, que custou, no total, pouco mais de sete mil euros.


Veja outros projectos de escolas construídas a partir de garrafas de plástico. E também o projeto Save The Beach Hotel.





Este projeto foi promovido por Diaz Illac visando aprofundar o estudo de arquitetura sustentável.


Publicado em 18 de March de 2011. Tags: comunidades, empreendedorismo social, escola, filipinas, guatemala, Inclusão Social

Financial Times: Empresas energéticas europeias, o foco é a Romênia


A Roménia é o novo paraíso da energia eólica. Saiba porquê.

A Roménia é o novo paraíso da energia eólica. Saiba porquê.
A portuguesa EDP Renováveis, a espanhola Iberdrola ou a austríaca OMV/Petrom são algumas das empresas que estão olhando para o mercado romeno como “um dos últimos locais da Europa onde há condições atraentes” para desenvolver projetos de energia eólica.
Segundo explica o Financial Times, a Roménia tem ventos fortes, grandes áreas despovoadas e um generoso sistema de incentivos governamentais à criação de parques eólicos. Três argumentos que estão levando as empresas energéticas europeias a “correrem” para aquele país.

O FT dá o exemplo da vila de Fantanele, onde as turbinas eólicas foram, numa fase inicial, mal recebidas – “as pessoas estavam cépticas ao início, por causa da azáfama durante a sua construção e a preocupação de que as suas culturas seriam estragadas”, explicou Gheorghe Popescu, presidente da câmara – mas agora são consideradas indispensáveis, ao ponto da população local lutar por elas.
“Muitas das pessoas estão a perguntar se as empresas energéticas vão aumentar o parque, porque querem que as turbinas cheguem também aos seus terrenos”, afirma Gheorghe Popescu.
Com um rendimento médio de 100 euros por mês, a população local consegue angariar, por ano, perto de 3.000 euros só do aluguer do terreno.
Agora, há competição entre vilas e regiões romenas para saber quem receberá este ou aquele parque eólico, projetos que estão a criar empregos e valor para as famílias e a levar o desenvolvimento à Roménia rural.
E, apesar da Roménia – que faz parte da União Europeia desde 2007 – ter sido um dos últimos países da Europa a apostar nas renováveis, o país é hoje um dos mais procurados pelas empresas energéticas europeias para desenvolverem os seus projetos.

Publicado em 18 de March de 2011. Tags: ,

Às Estrelas


The Most Astounding Fact
O Fato Mais Importante (Legendado)

PET



Medicamentos - Descarte Consciente


Google Street View - Dados cartográficos

A gigante de couro pode atingir dois metros de comprimento e pesar até 750 kg.