sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Palmas, a “capital das oportunidades”, sediará a sétima edição do Amazontech.


Amazontech incentiva iniciativas empreendedoras na Amazônia Legal 


O Tocantins, Estado mais novo da federação, apresenta uma localização geográfica privilegiada por estar no centro do Brasil, fazendo divisa com cinco Estados, além de integrar a Amazônia Legal. Esse ambiente o torna economicamente competitivo em relação ao transporte de cargas para todo o país, seja pelas rodovias federais, transporte aéreo e muito em breve pela Ferrovia Norte-Sul.

Palmas, a última capital do século 20, completamente planejada, é conhecida como uma terra de oportunidades, atrativa para migrantes e propícia ao aporte de novos investimentos. De acordo com o Censo Demográfico 2010, divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Palmas foi a capital brasileira que mais cresceu na última década. Em 2000 a cidade apresentava uma população de 137,355 habitantes, hoje, conta com mais de 228 mil habitantes.

Diante desse cenário favorável, Palmas será palco, de 18 a 22 de outubro de 2011, da sétima edição do Amazontech, um programa multidisciplinar que, por meio do incentivo ao desenvolvimento científico-tecnológico e à inovação, busca promover o desenvolvimento econômico sustentável da Amazônia Legal. O Espaço Cultural de Palmas e a Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Serviços Públicos – Semasp serão preparados e adaptados para receber as principais estruturas do evento.

O Amazontech é um Programa do Sebrae desenvolvido pelos Estados e Sebrae nas Unidades Federativas da Amazônia Legal, Sebrae Nacional, Governo Federal, Embrapa, Universidades Amazônica e outros parceiros institucionais. Acesso a mercados, políticas públicas, responsabilidade sócio-ambiental e educação, com o propósito de assegurar competitividade e sustentabilidade fazem parte do conjunto de estratégias do programa.

Para o diretor superintendente do Sebrae no Tocantins, Paulo Massuia, o Amazontech veio para cumprir seu papel estratégico de tornar-se um dos catalisadores da integração regional e da consolidação de um mercado para os produtos da Amazônia, focados nos pequenos negócios. “Mais que desejar um desenvolvimento sustentável em suas múltiplas dimensões, o que se propõe é que o conhecimento construído no Amazontech seja um processo promovido de dentro para fora, ou seja, da Amazônia para o mundo. O conhecimento deve ser gerado, fomentado e enriquecido aqui mesmo”, esclarece Massuia.

Com o objetivo de divulgar o programa e captar parcerias e recursos foram realizadas no mês de abril e maio visitas institucionais e lançamentos do Amazontech em Belém, São Luiz, Cuiabá, Porto Velho, Rio Branco, Boa Vista, Manaus e Macapá. Foram realizadas ainda visitas institucionais ao Ministério das Relações Exteriores, Ministério da Ciência e Tecnologia, Ministério do Desenvolvimento, Indústrias e Comércio Exterior, Ministério do Meio Ambiente, Embrapa e Organização do Tratado de Cooperação Amazônica – OTCA em Brasília.

Estratégias de articulação institucional e de divulgação já estão em andamento com o intuito de mobilizar a participação de representantes dos oito países latinos que compõem a Amazônia Legal, sendo eles Bolívia, Colômbia, Equador, Guiana, Guiana Francesa, Peru, Suriname e Venezuela.

O presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae Tocantins, Roberto Pires, comenta que um dos grandes destaques do Amazontech será a Vitrine Tecnológica da Embrapa. “Esta ação promete atrair empresários do agronegócio, estudantes do ensino fundamental, universitários e visitantes interessados em inovação e transferência de tecnologias voltadas para agropecuária. O público terá a chance de conhecer e vivenciar, na prática, o trabalho da Embrapa reconhecido mundialmente”, explica o presidente, acrescentando que já está em negociação com a Secretaria da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Estado do Tocantins (Seagro) a realização do Congresso Amazônico de Apicultura da Região Norte, durante o Amazontech.

Mila Jaber, diretora técnica do Sebrae Tocantins, conta que outra novidade que está sendo articulada é a programação cultural do Amazontech. “Nossa proposta é disponibilizar durante os cincos dias o melhor da cultura dos nove Estados. Para isso criamos um comitê gestor formado por representantes da Secretaria de Cultura do Estado do Tocantins, da Fundação Cultural de Palmas, do Serviço Social do Comércio (Sesc/TO), da Fundação Universidade do Tocantins (Unitins) e do Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Tocantins (IFTO)”, ressalta.

Segundo a diretora, esse comitê terá a responsabilidade de definir o roteiro cultural do evento, bem como organizar o fórum que visa discutir e propor políticas públicas focadas no desenvolvimento da cultura amazônica, além de dar visibilidade às diversas manifestações culturais.

Sobre o evento


O Amazontech surgiu como resultado de reflexão e compreensão profunda sobre as necessidades do setor produtivo no contexto da Amazônia Legal, que se destaca pela característica singular de conter o maior bioma de floresta tropical do planeta. A Amazônia brasileira ocupa 61% do território nacional, com seus 510 milhões de hectares, tem uma cobertura vegetal equivalente a 22% da reserva florestal do planeta e seu reservatório de água doce detém 20% do total disponível na Terra.

Diante deste enorme potencial econômico e natural, o Amazontech visa encontrar novos rumos para a ciência, a tecnologia, a inovação e os pequenos negócios na Amazônia. O programa tem como proposta contribuir para a mobilização dos atores sociais da Amazônia em prol da integração de propósitos e esforços direcionados para a construção de um modelo de desenvolvimento fundamentado nas vocações sócio-econômicas e ambientais da região.

Desta forma, serão trabalhados no programa sete eixos temáticos que abordam Tecnologias para o uso sustentável dos recursos naturais; Biotecnologia para a Amazônia; Desenvolvimento Sustentável para os pequenos negócios; Cidades inovadoras e sustentáveis e as oportunidades de negócios; Meio Digital, TIC e Sustentabilidade; Fontes alternativas de energia e Mudanças climáticas.

Durante cinco dias os participantes poderão visitar a área de exposição de produtos, serviços e tecnologias, apropriados a negócios sustentáveis; dias de campo; vitrine tecnológica de produtos vivos; rodadas de negócios e de projetos; cursos, clínicas, oficinas, palestras, seminários; cozinha experimental; exposição multimídia “Amazônia Sustentável”; painel de oportunidades de negócios e investimentos na Amazônia, além do Prêmio “Amazônia Sustentável”.

Público-Alvo

Empresas do setor privado como indústria, comércio, serviço e agronegócios; instituições financeiras; organizações governamentais e não governamentais, nacionais e internacionais; instituições de ensino superior e comunidade acadêmica; instituições de ciência e tecnologia; organismos financiadores de Estudos, Pesquisas e Projetos, profissionais da imprensa, comunidade em geral e profissionais autônomos comprometidos com a sustentabilidade da Amazônia Legal.

Histórico

O programa surgiu em 2001, por iniciativa dos agentes Sebrae da Amazônia Legal, executado em parceria com o Governo Federal, Embrapa, Governos Estaduais da Amazônia Legal e Universidades Amazônicas e outras instituições atuantes na região. Hoje, o Amazontech é um evento de projeção internacional, que ocorre a cada dois anos, sempre em um Estado brasileiro que compõe a Amazônia Legal. O programa já ocorreu em Roraima, Acre, Amazonas, Mato Grosso, Pará e Maranhão.

Mais informações:

Amazontech promoverá negócios de mercado sustentáveis


O auditório do Palácio Araguaia se transformou numa extensão da Floresta Amazônica para o lançamento do principal programa de tecnologia do Norte do Brasil. O evento reuniu diretores do Sebrae dos nove Estados da região da Amazônia Legal, o governador do Tocantins José Wilson Siqueira Campos e demais autoridades. Um painel de led (de alta definição) retratou um pouco do que promete ser o Amazontech 2011, pela primeira vez realizado no Tocantins, entre os dias 18 e 22 de outubro.

O programa promete gerar 22 milhões de reais em volume de negócios e captação de recursos, com o apoio de cem expositores. Na rodada de negócios estão previstos pelo menos 300 agendamentos e na rodada de projetos cerca de 60. A sétima edição do Amazontech promete atrair no Espaço Cultural, em Palmas, mais de 35 mil visitantes. No local está sendo instalada uma vitrine viva da Embrapa – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, com mais de 80 novas tecnologias.

“Esse lançamento é a abertura de uma porta imensa para o desenvolvimento. Que os corações e braços de todos nós estejam abertos para recebermos a 7ª edição do Amazontech, que vai trazer evolução para o Tocantins e para toda a Amazônia”, declarou o governador Siqueira Campos ao dizer que o programa irá despertar o Estado nacionalmente, trazendo evolução para o Tocantins e para toda a Amazônia.

O presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae Tocantins, Roberto Pires disse que o Amazontech será uma oportunidade para promover a cultura da inovação e a difusão de conhecimentos científicos e tecnológicos coerentes com a sustentabilidade do bioma amazônico. “Precisamos lançar nossos olhos sobre o futuro, porém é impossível fazer isso sem antes conhecer os cenários que permeiam os negócios, em especial os pequenos, que são a razão do existir Sebrae”, ressalta.

Já o superintendente do Sebrae, Paulo Massuia, destacou que só é possível falar de inovação tecnologia e sustentabilidade se estivermos preparados para uma atuação conjunta. “Falar de Amazontech é falar de inclusão, união, consenso. Estamos aqui porque queremos ser protagonistas de uma história de que deve ser construída no seu próprio meio”, afirmou Massuia pontuando que a palavra de ordem é: Gente. “Vamos fazer um evento voltado para o ser humano, por isso teremos o apoio total do Governo do Estado, da Prefeitura, das empresas e da nossa gente. A presidente Dilma falou do PPP que quer dizer: Pensar Primeiro nos Pequenos e isto o Sebrae está fazendo durante estes 22 anos no Tocantins e fará muito mais”, finalizou o superintendente. (AS) 

Peixes de aquário são geneticamente alterados para produzir luz colorida brilhante (vídeo)

Se você tem um aquário, agora já pode ter um peixe fluorescente. Chamados de Glofish, esses peixes tem seu gene alterado para que possam produzir uma luz colorida brilhante. Abaixo, um vídeo de como fica essa fluorescência sob uma luz negra.


Para chegar a isso, os criadores retiram uma proteína de organismos marinhos que produz a fluorescência. Essa proteína é adicionada quando o peixe é embrião e ela logo é absorvida pelo genoma do animal. Dessa forma, quando ele for acasalar, seus herdeiros genéticos também serão fluorescentes.

NASA faz descoberta que impactará busca por vida fora da Terra

Na próxima quinta-feira, às 17h* do horário de Brasília, a NASA, agência espacial dos Estados Unidos, fará um anúncio de uma descoberta astrobiológica que, segundo o site da agência, "trará impactos na busca de evidência de vida extraterrestre".


A astrobiologia compreende o estudo da origem, evolução, distribuição e futuro da vida no universo. A conferência acontecerá na sede da NASA, em Washington, e terá transmissão ao vivo pela NASA Television e pelo site da agência.

Dentre os participantes da coletiva estão Pamela Conrad, astrobióloga autora de um estudo de 2009 sobre geologia e vida em Marte, Steven Benner, membro do grupo de pesquisas sobre Titan, a maior lua de saturno, e James Elser, ecologista envolvido no programa Follow the Elements, que estuda a química dos ambientes em que a vida evolui.

Também participam Mary Voytek, diretora do Programa de Astrobiologia da NASA, e Felisa Wolfe-Simon, pesquisadora de astrobiologia da USGS, agência geológica dos EUA.

Redação Galileu

Uma nova espécie de animal ou planta é descoberta a cada 3 dias na região da floresta Amazônica

Um novo macaco, do gênero Callicebus – mais conhecido como zogue-zogue, foi descoberto no noroeste do Mato Grosso. O primata foi encontrado na Reserva Extrativista Guariba-Roosevelt, em dezembro de 2010, durante uma expedição científica promovida pela ONG WWF - Brasil e a Secretaria de Meio Ambiente do Estado.

Nova espécie de macaco é descoberta no Mato Grosso

Agora, o animal passa por estudos para detalhar suas características. Ele foi classificado seguindo normas internacionais de taxonomia. Dados, como peso, cor do pelo e comprimento de cauda foram registrados, assim como informações sobre sua ocorrência conseguidas com o pesquisador que coletou o macaco. Amostras de pelos e músculos foram retirados para análises moleculares. Depois, as informações serão disponibilizadas para serem consultadas por outros pesquisadores. 

A descrição da espécie, com os estudos sobre suas características físicas e biológicas, deve levar cerca de seis meses para ser concluída. A publicação da descoberta em revistas científicas pode levar até um ano. O macaco foi encontrado entre os rios Guariba e Roosevelt, dois dos mais importantes cursos d’água do noroeste do Mato Grosso. “Este primata tem detalhes na cauda e na cabeça que não foram vistos até agora em outros zogue-zogues originários desta área”, conta o biólogo Júlio Dalponte. 

A descoberta da espécie aconteceu durante um programa de expedições a unidades de conservação da região para ajudar na elaboração de um plano de manejo para os locais. Para os responsáveis, a nova espécie mostra a importância das unidades de conservação para a proteção dos animais e também para a pesquisa científica. O relatório Amazônia Viva, da WWF, mostra que mais de 1.200 novas espécies de plantas e de animais foram descobertas na Amazônia entre 1999 e 2009. Significa uma nova espécie a cada três dias.
 

Redação Galileu

Florestas da Boêmia, um paraíso para os catadores de cogumelos


A temporada de cogumelos foi antecipada este ano na República Tcheca devido às constantes chuvas que caem na região desde julho, e que, somadas ao calor do verão local, transformou as florestas em um paraíso para os amantes do alimento.
A época deles ocorre geralmente no final de agosto, coincidindo com as precipitações outonais, mas este ano começou um mês antes.

Cepe-de-bordéus (boletus edulis) e de pinheiro (xerocomus badius), amanitas vinosas (amanita rubescens), rússulas comestíveis (russula vesca) e carvoeiras (russula cyanoxantha), parasol (macrolepiota rhacodes) e, se tiver sorte, algum "leccinum versipelle" comestível, são as espécies que mais atraem os catadores.

Raras são as florestas de coníferas que ficam próximas aos povoados ou bosques com faias e pinheiros que não atraiam nestes dias os apaixonados por cogumelos, que chegam com suas cestas de vime, canivetes e galochas.

Reúnem-se bem cedo, já que é uma atividade que exige percorrer distâncias consideráveis e sempre em grande contato com a natureza.

Além disso, se esses madrugadores chegarem tarde ao encontro possivelmente vão encontrar a área depauperada por outros entusiastas.
É possível encontrar catadores de cogumelos não apenas perto das comunidades, mas também em lugares mais recônditos, como as paragens de verão afastadas da civilização.

É que esta atividade de lazer e gastronômica é uma das mais populares, praticada de forma assídua por mais da metade dos tchecos, e vem de uma importante tradição micológica.

O catador de cogumelos também é ciumento com os lugares onde encontra os melhores exemplares, que tendem a se reproduzir ano após ano no mesmo ponto.
Isso se não acontecer alguma coisa que provoque a alteração em seu biotipo, como poda de árvores, praga do escaravelho na casca, que são casos frequentes em muitas florestas antigas do país.

A rainha dos cogumelos, ou pelo menos a mais apreciada e fotogênica, é a "boletus edulis", que pode ser conservada em vinagre, e ser servida como ingrediente principal de um mexido com outros cogumelos mais suaves, ovos, cebola e cominho.

O segredo de um bom mexido é, precisamente, a variedade das espécies escolhidas, já que a textura relativamente consistente do "edulis" e do "badius", assim como da carvoeira se complementa com a delicadeza do "amanita vinosa" e do cogumelo de carne amarela.

Também é importante não exagerar no ovo, dois já é o suficiente.
O "amanita vinosa", que tem um grande chapéu, é um cogumelo muito delicado que deve ser consumido logo, geralmente é frito na manteiga ou empanado, embora alguns prefiram passá-lo na gordura, apesar desta forma comprometer o sabor.

Os "boletus", convenientemente desidratado em processo trabalhoso, é o protagonista da saborosa sopa de cogumelos, tão popular entre os tchecos.



Às Estrelas


The Most Astounding Fact
O Fato Mais Importante (Legendado)

PET



Medicamentos - Descarte Consciente


Google Street View - Dados cartográficos

A gigante de couro pode atingir dois metros de comprimento e pesar até 750 kg.