sexta-feira, 27 de maio de 2011

Jack Johnson dá exemplo de comprometimento ambiental


Diversas celebridades têm levado a sério a questão ambiental e têm dado exemplos de como serem ou terem uma vida mais ecologicamente correta. Muitos artistas fazem doação de dinheiro e alguns participam de campanhas de conscientização, mas outros são ativistas e lideram organizações não governamentais para ajudar o planeta, como é o caso de Jack Johnson.

O cantor e compositor havaiano, incentiva a reciclagem entre outras coisas, nas letras de suas músicas. Além disso, ele também possui uma fundação, Kokua Hawaii, que apóia a educação ambiental nas comunidades e escolas da ilha. De acordo com o site “A missão da fundação é fornecer aos alunos encontros emocionantes e interativos que permitam aumentar a sua valorização e compreensão do seu ambiente”.

Como parte da Campanha “All At Once”, a turnê “Jack Johnson To The Sea” colaborou com mais de 22 grupos de comunidades, focando em iniciativas para se livrar do plástico e incentivar sistemas de alimentação local, educação ambiental, cuidado com os oceanos e as bacias hidrográficas, plantio de árvores e outros projetos comunitários.

A seguir estão alguns dos destaques do que a banda conseguiu no ano passado através de seus esforços em busca da sustentabilidade.
Em 2010, mais de 800 mil pessoas assistiram a mais de 50 shows em 10 países ao redor do mundo.A turnê foi feita em parceria com 220 organizações ambientalistas sem fins lucrativos que trabalham em todos os cantos do globo, que atingem mais de 600 pessoas. A ação trouxe 3.680 novos membros a esses grupos. A All At Once, conpessoas em mais de 40 eventos comunitários.

A Johnson Ohana Charitable Foundation doou 525 mil dólares diretamente para os parceiros sem fins lucrativos do All At Once em 2010. Um adicional de US $ 700 mil foram alcançados por estas organizações sem fins lucrativos através do programa de doação do All At Once.

Uma boa parte dos frequentadores dos shows da banda participaram do programa “All At Once Village Green Passport”. Juntos eles completam mais de 105 mil ações individuais nos shows. As ações incluídas são: reciclagem, recarga de garrafas reutilizáveis em estações de água, “carpooling” ou carro cheio (para mais de dois ocupantes), doações para parceiros locais, sem fins lucrativos, entre outras coisas.

 
Mais de 70 mil membros on-line levaram cerca de quatro mil ações para a organização, mais de dez mil vídeos sem fins lucrativos foram vistos, e mais de 90 mil pessoas visitaram o site para aprender sobre a campanha de 2010.

As pessoas puderam fazer e registrar seus compromissos ambientais on-line e no All At Once Photo Booth nos shows, como parte do concurso de Capture Seu Compromisso, em parceria com explore.org.

Os frequentadores dos show foram incentivados a usarem garrafas reutilizáveis. A utilização da água filtrada impediu que aproximadamente 55 mil garrafas plásticas, de uso único, entrassem no fluxo de resíduos. Por causa disso, os fãs receberam um certificado por terem se tornados livres dos plásticos.

Os dados mostram que 420 toneladas de resíduos foram desviadas do aterro, através de esforços de reciclagem e compostagem nos shows. O transporte usado na preparação dos shows também teve uma atenção especial. Os ônibus de turismo, caminhões e geradores locais foram abastecidos com 26.000 galões de biodiesel sustentável. Mais de 200 frequentadores organizaram o “carpool” inecntivando as caronas. Como resultado, estes esforços combinados salvaram mais de 200 mil quilos de CO2.

Os fãs comprometidos em poupar mais de 591 milhõesde milhas alimentares, comeram alimentos cultivados localmente pelo menos uma vez por semana.

Como parte do programa “Farm to Stage” a turnê direcionou 18 mil dólares para apoiar mais de 50 explorações agrícolas locais. A turnê ficou parceira da EatWellGuide.org para criar 33 guias personalizados para ajudar os fãs a encontrarem alimentos frescos, locais e sustentáveis em cada cidade por onde a banda passou.

Todas as propagandas da turnê foram feitas a partir de materiais sustentáveis, com foco em energias renováveis e reutilizáveis. Os fãs compraram 2.715 garrafas de água reutilizáveis, que se usadas por um ano, impediriam que 509.062 garrafas plásticas de uso único fossem descartadas. Eles também compraram 9.605 sacolas reutilizáveis, que em um ano permitiriam poupar cerca de 12,8 milhões de barris de petróleo e 14,9 milhões de árvores.

A participação dos fãs no apoio dos projetos possibilitou a compensação de CO2. Além disso, os concerto locais, que integra o Jack Johnson Green Rider compensaram seu impacto totalizando mais de 3,3 milhões de quilos de CO2.
Após todos os esforços de conservação que foram tomados, as 1.600 toneladas métricas de CO2 restantes da turne “To the Sea” 2010 foram compensadas apoiando projetos nacionais e internacionais, de energia eólica, solar, de metano em comunidades onde a turnê percorreu.
Graças às pessoas que contribuíram, a comunidade All At Once está fazendo diferença. Mais de 180 mil pessoas em todo o mundo estão tomando medidas ambientais e efetuando mudanças positivas.

Redação CicloVivo

Dave Matthews Band no festival "SWU – Começa com você", incentivo à sustentabilidade no Brasil.

Esta foi a segunda vez no Brasil, a banda sul-africana
Dave Matthews Band: música e engajamento ambiental


Um evento que vale a pena recordarmos não só por ter sido aclamado pelos que lá estiveram presentes bem como pela mídia especializada, mas também pelo momento crítico decorrente da decisão lamentável em nossa câmara de deputados promovendo o Novo Cõdigo Florestal
Mesmo com a derrota, os líderes do governo disseram que impedirão a degradação ambiental que pode ocorrer, mediante a aprovação do novo código. Segundo o G1, Cândido Vaccarezza (PT), disse: “Não vamos admitir qualquer agressão ao meio ambiente. Se precisar ficar sozinha nesta questão [a presidente Dilma] ficará e vetará o ponto. Esta emenda é uma vergonha”.
A emenda citada, 164, foi o ponto mais discordante durante a sessão, pois deixa a cargo dos governos estaduais o poder de decisão sobre as atividades agropecuárias nas Áreas de Preservação Permanente (APP). Segundo o governo, a posição contrária a ela se dá pelo fato de que o governo federal deve ter poder absoluto para punir os proprietários rurais que não estiverem de acordo com as normas propostas.
A sugestão vitoriosa de Aldo Rebelo isenta os pequenos produtores da obrigatoriedade na recomposição das áreas de reserva legal e permite que alguns tipos de cultivos sejam mantidos em APP. A anistia, muito criticada pela bancada ambientalista, foi aprovada, no entanto será reavaliada pelos senadores, que poderão fazer alterações e acrescentar punições mais severas a quem desrespeitar a legislação. Só nos resta aguardar...


Estiveram em Itu para o festival SWU – Começa com você – evento que uniu arte, música e sustentabilidade. Em 2009, eles estiveram na Chácara do Jóquei, em São Paulo, no Festival About Us – que utilizava o slogan de “entretenimento a favor da sustentabilidade”.
O motivo pelo qual a banda conquistou respeito na área ambiental está fora dos palcos. Seus membros participam de um grupo informal que trabalha para deixar as turnês mais verdes. Há dois anos, o líder da banda, decidiu compensar as emissões de todo o carbono emitido em sua carreira – o que tem sido feito com energia limpa e plantio de árvores. Além disso, a banda ajudou a construir a turbina eólica Rosebud, a primeira de grande escala nos EUA. Na turnê deste ano, eles firmaram parceria com a ONG FilterForGood, e têm incentivado os fãs a levarem de casa sua própria garrafa de água – reduzindo o uso de plásticos.



Dave Matthews não é do tipo que costuma fazer discursos ecológicos durante os shows. Além disso, ele não compõe músicas de caráter ambiental, como as bandas australianas Blue King Brown e Midnight Oil. “Acho que o show é um momento para conectar nossas almas. Não de dar discursos. E também não quero que arremessem coisas em mim”, diz o músico ao Estadão.
O cantor diz que deseja evitar a hipocrisia. “Viajo o mundo todo de avião, quem sou eu para cobrar dos outros? Mesmo nos Estados Unidos, quando atravessamos o país de ônibus, também estamos poluindo”, questiona ele.
O músico, que cresceu acampando e fazendo caminhadas, lamenta que, em seu círculo de amigos, ele seja a pessoa que mais consome energia. “Estar numa indústria com tanto desperdício me faz pensar que preciso tomar medidas drásticas para compensar o que eu faço. Preciso lembrar que trago muitas pessoas, carros, ônibus e equipamentos para os shows”, diz ele.

 Nos vídeos – que podem ser vistos no YouTube – em que fala sobre as atitudes sustentáveis de sua turnê, ele afirma acreditar que podemos dar oportunidade para que o planeta se recupere. Quando passou por São Paulo, no ao passado, ele chegou a plantar duas árvores para dar o exemplo. Dave diz que acredita mais nos fãs do que nos políticos para fazer alguma mudança positiva no mundo.
Quando vê desastres ambientais, o músico fica revoltado, como aconteceu com o vazamento de óleo no Golfo. “Os políticos diziam que a exploração de petróleo em águas profundas era segura, até ocorrer o acidente e não ser mais. É dessa forma que tudo está acontecendo. Depois, só nos resta lidar com as consequências.”

Também estiveram presentes...

JOSS STONE



KINGS OF LEON



Rio Será Primeira Cidade a receber o mutirão de Coleta de Lixo Limpa Brasil! Vamos fazer isso!


O primeiro mutirão de limpeza do Rio de Janeiro ocorrerá no dia 5 de junho,
 Dia Mundial do Meio Ambiente

O Rio de Janeiro será a primeira das sete cidades brasileiras a receber o Limpa Brasil Let's do it!, movimento mundial de mobilização social voltado para o envolvimento da sociedade no recolhimento dos resíduos sólidos descartados.
O primeiro mutirão de limpeza na cidade ocorrerá no dia 5 de junho, Dia Mundial do Meio Ambiente, e a expectativa é reunir cerca de 50 mil voluntários, entre coordenadores, catadores e supervisores. Os interessados devem se inscrever no site do projeto.
Na capital fluminense, 18 ecopontos, que estão espalhados por todas as regiões da cidade, funcionarão entre 9h e 17h, recebendo o lixo recolhido pela população. As tendas serão instaladas em lugares onde já atuam organizações não governamentais (ONGs) que trabalham na defesa do meio ambiente.
Três dias antes do movimento, os inscritos poderão participar de oficinas de capacitação, nas quais aprenderão métodos de recolhimento do material reciclável.
O coordenador nacional de Logística do Limpa Brasil, Tião Santos, acredita que, como até 2016, o Rio de Janeiro será a porta de entrada do Brasil, com dois grandes eventos esportivos (Copa do Mundo de 2014 e Olimpíadas de 2016) e um sobre desenvolvimento sustentável (Rio+20, Conferência das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável), a população carioca deve receber noções de educação ambiental.
“Eu acho que tem que começar a dar exemplo [o Rio de Janeiro]. Vamos receber pessoas de todos os lugares do mundo, a cidade vai estar com excesso de pessoas circulando, ou seja, consumindo e produzindo lixo e qual exemplo a gente dá com isso? Acho que o Rio de Janeiro tem que se preparar para não fazer feio”, disse Tião.
Nos próximos meses, Brasília, Campinas (SP), Guarulhos (SP), Goiânia, São Paulo e Belo Horizonte também participarão da iniciativa.

Lana Cristina - Agência Brasil

São Paulo - Medição da qualidade do ar nos moldes da OMS

Poluição acentuada pelo tempo seco na capital paulista

nuvem de polui��o encobre s� paulo: cena comum

O Estado de São Paulo passará a contar com um sistema de medição da qualidade do ar cujo o padrão de rigidez é semelhante ao da Organização Mundial da Saúde (OMS)
O Conselho Estadual de Meio Ambiente (Consema) aprovou na quarta-feira, 25 de maio, por unanimidade, o relatório que definiu esses novos parâmetros. O documento era preparado desde 2010 por representantes de diversas organizações públicas e da sociedade civil.
Com o padrão mais rígido, São Paulo delimita metas de qualidade do ar mais exigentes que as vigentes hoje. Pelos padrões usados atualmente pela Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb), o índice aceitável de poeira que os paulistanos respiram em um dia é de 150 mg/m³. A OMS, no entanto, estabelece que essa taxa deva ser de 50 mg/m³ por dia. Em relação ao chamado material particulado (partículas inaláveis muito comuns nas cidades), a capital paulista apresenta quantidade três vezes superior ao padrão recém aprovado.
"Agora temos um novo desafio", destacou ao Estadão.com o secretário estadual do Meio Ambiente, Bruno Covas, que preside o Consema. "Os padrões atuais são de 1976. E são padrões, não metas como agora. É importante que as pessoas percebam que deve haver uma mudança de comportamento e cabe ao Estado ser o indutor das alterações para atingir essas metas." Na cidade de São Paulo, quatro mil pessoas morrem por ano de doenças provocadas ou agravadas pela poluição.
Metas e prazo
De acordo com o relatório aprovado, as mudanças serão progressivas, em três etapas. “Imediatamente será aplicada a meta 1, que é de até 120 mg/m3 por dia. Depois de três anos entrará em vigor a meta 2, de 100 mg/m3 por dia. E neste momento, a partir de análises da situação que teremos então, definiremos quando entrará em vigor a meta mais rígida, a meta 3, de 75 mg/m3 por dia”, explicou Maria Helena Martins, gerente da divisão de qualidade do ar da Cetesb. Segundo ela, que é uma das autoras do documento, nenhuma cidade, estado ou país adota o padrão de referência da OMS, de 50 mg/m3 por dia.
A revisão ainda será encaminhada ao governador Geraldo Alckmin, que deve publicar um decreto com essas determinações. O prazo para que essas metas sejam alcançadas, porém, geraram algumas críticas entre membros da comunidade científica. "O primeiro nível da meta, a ser alcançado em três anos, é relativamente baixo. E é um pouco frustrante que a meta final não tenha um prazo definido", exemplificou a bióloga Sonia Maria Gianesella, professora da USP.
Agora, as secretarias estaduais do Meio Ambiente, da Saúde e do Desenvolvimento Econômico terão dois meses para elaborar um documento técnico a partir dos dados expostos no relatório. As medidas passam a valer imediatamente após o decreto emitido pelo governador.
O Consema se reúne uma vez por mês para tratar das questões mais importantes para proteger o meio ambiente no estado. São 30 conselheiros, representantes de entidades e universidades, ambientalistas e integrantes do governo. A reunião é comandada pelo secretário Bruno Covas.

Código Florestal: relator aponta erros do governo

Deputado Aldo Rebelo fala em ausência durante discussão e aprovação do texto na Câmara 
O relator do Código Florestal, deputado Aldo Rebelo, afirmou nesta quinta-feira que o governo federal cometeu erros durante a discussão e aprovação do texto. Segundo ele, o governo ficou praticamente ausente dos dois processos. Durante evento no Jóquei Clube de São Paulo, Aldo Rebelo disse que o governo só participou da primeira fase de discussões por meio do Ministério do Meio Ambiente e deixou de conversar sobre o tema com o setor da agricultura.
Para o deputado, a proposta apresentada pelo governo com novas soluções para o código ocorreu tardiamente, mas, se tivesse sido apresentada antes, poderia ter sido incorporada ao texto.
Ouça os detalhes com o repórter Jovem Pan André Guilherme.
Jornal Jovem Pan

Às Estrelas


The Most Astounding Fact
O Fato Mais Importante (Legendado)

PET



Medicamentos - Descarte Consciente


Google Street View - Dados cartográficos

A gigante de couro pode atingir dois metros de comprimento e pesar até 750 kg.