quarta-feira, 5 de março de 2014

Cientistas tentam aprimorar conhecimentos do peixe-boi durante reabilitação em cativeiro



Cientistas  tentam entender melhor o comportamento do peixe boi no cativeiro. O objetivo é conhecer a alimentação do mamífero para ajudá-lo a se readaptar à natureza.

Há alguns anos, o Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia ( INPA) com a participação da Associação Amigos do Peixe-boi, vem trabalhando na assistência a espécie, inclusive com a reprodução em cativeiro, mas ainda esta muito longe o dia em que a sua reprodução poderá ocorrer como já temos a da tartaruga, onde os criatórios já começam a fornecer o quelônios para famosos restaurantes da cidade, com o devido licenciamento dos órgãos ambientais para a sua criação e reprodução em cativeiro.

Com Peixe-boi, tudo é muito mais delicado e demorado, mas o trabalho cientifico foi iniciado e se desenvolve com muito sucesso pelo INPA, até para preservar a espécie na natureza.

  • Em dois dias, o Inpa recebeu dois filhotes de peixe-boi resgatados no interior do Amazonas.

Um dos animais chegou na capital amazonense na quinta-feira (27/02). Ele foi encontrado no município de Manacapuru, distante de Manaus 68 km, e será reabilitado no Inpa. Este é o segundo animal que chega ao Inpa este ano

Ascom/Ampa 

O outro filhote de peixe-boi chegou ao Laboratório de Mamíferos Aquáticos (LMA) do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTI), na  terça-feira (25/02), e recebe os cuidados dos pesquisadores.

Peixe Boi

Uma equipe com profissionais do Inpa, Associação Amigos do Peixe-Boi (Ampa), Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam) e o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) foi buscar o filhote em Manacapuru. 

O filhote foi entregue por um pescador na fazenda Seringal na mesma terça-feira (25/02) no local onde seis peixes-bois, reabilitados no Inpa, estão em semi-cativeiro para serem reintroduzidos na natureza. 

Outro resgate


Na quarta-feira (26/02), o outro filhote peixe-boi macho, recém-nascido, de aproximadamente 20 dias pesando 11kg e medindo 89 cm, foi resgatado no município de Caapiranga (AM), pelo Ipaam, acionado pela Secretaria de Meio Ambiente da cidade. 

O animal chegou ao Inpa, e recebe os cuidados necessários para a sua reabilitação pela equipe Ampa. Durante a madrugada de sua chegada, pesquisadores do LMA do Instituto revezaram-se para monitorar o filhote, com dificuldades de receber a fórmula láctea administrada. Na manhã seguinte,  ele passou por uma avaliação clínica. 

Segundo o Ipaam, o animal foi encontrado por duas crianças da comunidade Dominguinhos, no município de Caapiranga. Os comunitários mantiveram o filhote por uma semana em um tanque com água e tentaram, nesse período, oferecer cuidados a ele. 


“O nosso objetivo não é colecionar exemplares da espécie. Nós recomendamos que quando um filhote de peixe-boi for avistado sozinho, que a pessoa possa observar por alguns minutos se a mãe está por perto. Se ele de fato estiver só, aí sim, as pessoas podem entrar em contato com os órgãos ligados ao meio ambiente para realizarem o resgate mais rápido possível. Caso contrário, orientamos que devolva o animal imediatamente para a natureza para que ele possa exercer sua função no ecossistema”, explica o veterinário do Inpa, Anselmo d´Affonseca.

Segundo o veterinário, o filhote está em quarentena, separado dos outros animais. “Ele ainda vai ser submetido a alguns exames para que tenhamos um diagnóstico mais completo do quadro de saúde. Neste ínterim vêm sendo medicado. Ele está tomando antibiótico e recebe leite sem lactose”, ressalta.

Os cientistas apontam que o principal fator para o encurtamento da vida da espécie é a predação feita pelo homem. Um indivíduo adulto pode atingir facilmente os 300 quilos e medir aproximadamente 2,5 metros

No Brasil, o peixe-boi é protegido por lei desde 1967 - Lei de Proteção à Fauna, No. 5197 e está classificado como espécie "vulnerável" pela UICN (2000).

Conservação e pesquisa


A Ampa é uma organização não governamental que atua em parceria com o LMA/Inpa. A associação é patrocinada pela Petrobras e tem como missão promover atividades de proteção, conservação, pesquisa e manejo do peixe-boi da Amazônia, e dos outros mamíferos aquáticos existentes na região: lontra neotropical, ariranha, tucuxi e boto-vermelho.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por participar!

Às Estrelas


The Most Astounding Fact
O Fato Mais Importante (Legendado)

PET



Medicamentos - Descarte Consciente


Google Street View - Dados cartográficos

A gigante de couro pode atingir dois metros de comprimento e pesar até 750 kg.