quinta-feira, 8 de março de 2012

Líder yanomami procura apoio da ONU contra extração de minerais

 
"A terra-floresta só pode morrer se for destruída pelos brancos. Então, os riachos sumirão, a terra ficará friável, as árvores secarão e as pedras das montanhas racharão com o calor. Os espíritos xapiripë, que moram nas serras e ficam brincando na floresta, acabarão fugindo. Seus pais, os xamãs, não poderão mais chamá-los para nos proteger. A terra-floresta se tornará seca e vazia. Os xamãs não poderão mais deter as fumaças-epidemias e os seres maléficos que nos adoecem. Assim, todos morrerão." 

O líder yanomami Davi Kopenawa solicitará às instâncias de direitos humanos da ONU que se oponham à regulamentação da extração de minerais nas terras indígenas da Amazônia. Kopenawa afirmou nesta segunda-feira que a lei, se for aprovada, permitirá a entrada das grandes empresas de extração de minerais em territórios indígenas, o que abrirá caminho para a "destruição das terras, a poluição dos rios, e trará mais doenças além das que já existem".

Kopenawa está em Genebra a convite do Festival de Cinema e Direitos Humanos da cidade, que projetou o filme "Indiens en Sursis", que denuncia a situação dos índios do Brasil e do qual ele é protagonista. O líder yanomami afirmou que "bateu em todas as portas" do governo brasileiro e, por isso, agora está se dirigindo à ONU, esperando que o escute e o ajude em sua oposição ao projeto de lei.

"Precisamos de ajuda para dizer "não" ao governo. Não podem entrar em nossa terra e expoliá-la", declarou. Kopenawa será recebido nesta terça-feira pelos assistentes da relatora para a situação dos defensores dos direitos humanos, com os do relator sobre os direitos dos povos indígenas e com o responsável do Brasil no escritório da alta comissária para os Direitos Humanos da ONU.

O projeto de lei em estudo permitiria a extração de minerais em terras indígenas com a autorização do Congresso Nacional e com o pagamento de royalties para os indígenas e para a Fundação Nacional do Índio (Funai).
A lei é debatida na Câmara há mais de 15 anos, dadas a divergências dos deputados que não sabem se aceitam as reivindicações dos índios ou as das mineradoras, que consideram que a busca de minerais nobres como o ouro, os diamantes e o nióbio - utilizado em usinas nucleares - é de interesse nacional e fundamental para o desenvolvimento do país.

Por sua vez, o governo da presidente Dilma apoia a aprovação da legislação porque considera que a falta de regulamentação só beneficia garimpeiros individuais que, como usam equipamento não regulamentado, degradam o meio ambiente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por participar!

Às Estrelas


The Most Astounding Fact
O Fato Mais Importante (Legendado)

PET



Medicamentos - Descarte Consciente


Google Street View - Dados cartográficos

A gigante de couro pode atingir dois metros de comprimento e pesar até 750 kg.